Ponto e Vírgula Tecnologia
16 de julho de 2012 por Vinicius Perez

Meu escritório é na praia

Você já viu o All Work and All Play? Aproveitando o entusiasmo do vídeo, decidimos dedicar toda essa semana ao trabalho, com posts diários sobre o assunto. E para começar, nada melhor que empresas e profissionais inspiradores.

Começando pelo recrutamento e seleção: não há nada pior que uma dinâmica de grupo. Você é qualificado, um ótimo profissional e um cidadão de bem e eles te perguntam que tipo de árvore você seria ou quem você levaria para um ilha deserta. Cansados dessa abordagem de chat da UOL, várias empresas apostam em metodologias bem mais interessantes para conhecerem seus funcionários.

Um exemplo disso é a agência Muse de Amsterdam, que resolveu caçar novos talentos usando o Draw Something: em vez de enviar teu CV de 8 páginas, tu joga uma partida e eles escolhem os desenhos mais bonitos, criativos ou bizarros.

Outro exemplo genial de que ninguém tem saco para processo seletivo convencional é o vídeo do Twitter, que foi feito sem gasto nenhum, brincando com a estética tosca e precária de alguns vídeos de recrutamento. Em dois dias o Join The Flock teve mais de 500 mil views:

Ou até os caras da BBR Saatchi & Saatchi de Israel que sintetizaram a atmosfera de medo infernal de uma entrevista de emprego e fizeram a deles dentro do Diablo 3:

Convenhamos, depois de uma entrevista dessas não faria o menor sentido que teu local de trabalho fosse um cubículo meio Dilbert. Por isso empresas como American Express tem, cada vez mais, buscado inspiração nos ambientes de coworking.

Os ambientes de coworking começaram como espaços de trabalho divididos por mais de uma pessoa ou por mais de um grupo de pessoas, surgidos da necessidade por um ambiente mais formal, com uma boa conexão, com a possibilidade de dividir experiências com gente na mesma vibe e dentro do orçamento.

Um belo exemplo dessa idéia é a Casa de Cultura Digital, que mesmo não sendo exatamente um co-working, reúne muita gente foda, com idéias muito diferentes, mas ideais bem próximos. De lá sairam iniciativas como as do Festival Baixo Centro, o Ônibus Hacker, o Arte fora do Museu e a Metamáquina.

E é esse tipo de resultado foda que tem inspirado muitas empresas a aderirem ao modelo: seja literalmente ou só quebrando com a idéia de um ambiente de trabalho fixo e sem personalidade. Algumas das vantagens são: diminuição dos gastos, valorização das características individuais e aumento da criatividade e produtividade (o diferente nos motiva).

Mas se você pensar que inovação no ambiente de trabalho é coisa de empresas digitais modernas, é bom lembrar que a a 3M, aquela empresa que você sabe que faz várias coisas mas não consegue especificar nenhuma, já permitia que os funcionários dedicassem 15% do tempo e o equipamento da empresa para perseguir seus sonhos lá nos anos 70, bem antes de muito Google. Nesse tempo, foram criadores os produtos de maior sucesso da 3M, inclusive o tão amado e utilizado post-it.

2 comentários para Meu escritório é na praia

  1. Juliana disse:

    Ah, quando acabou o post deu tristeza :(
    Tudo bem … volto amanhã ;)

  2. Pingback: Entrevista de emprego no Diablo 3 | Nerd box | O seu passatempo nerd.

Deixe um Comentário

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

*

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>