Ponto e Vírgula Tops
04 de setembro de 2012 por marimessias

We all want to change the world

Seguindo com nossa Semana Especial Ativistas, reunimos alguns documentários para quem quiser saber mais sobre pessoas e momentos que vem mudando o mundo:

1- Soundtrack for a revolution

Em 1955 Rosa Parks se recusou a dar seu lugar no ônibus para um passageiro branco. Ser negro e mulher nos anos 50 no Alabama queria dizer que ela, no mínimo, deveria se submeter aos brancos. Ao decidir não fazer isso (já que era um ser humano como qualquer outro), Parks virou ícone de uma revolução. Longe de ser pacífica ou justa, essa revolução teve na música uma de suas maiores forças. Soundtrack for a revolution e Dare not to walk alone são dois documentários que tratam das lutas pelos direitos negros nos Estados Unidos pelo viés da música e valem a pena ser vistos por quem se interessa por qualquer um dos temas.

2- Images of a Revolution

Inspirados pela revolução na Tunísia, no começo de 2011 os egípcios começaram a sair a rua para demandar o fim da ditadura de Hosni Mubarak. Reza a lenda que a revolução, inicialmente tímida, ganhou força graças a vídeos e fotos postados por cidadãos comuns. Unindo imagens feitas pela população e entrevistas com quem fez as imagens, o cineasta egípcio Amr Salama criou o documentário Images of Revolution (sobre o qual já falamos aqui), disponibilizado online de graça pela Al Jazeera. Alias, também da Al Jazeera rola ver o micro-documentário sobre street art e a revolução egípcia aí de cima.  

3- How to survive a plague

No final dos anos 1980 e começo dos anos 1990 o HIV era uma epidemia nos Estados Unidos. Entre os motivos para isso estava, certamente, o preconceito e a falta de informação relacionados a esse tema. Dois grupos de jovens militantes, o ACT UP e o TAG se uniram para combater a idéia de HIV era uma sentença de morte. Numa vibe guerrilha eles se infiltraram na indústria farmacêutica, mesmo sem ter nenhum treinamento científico para tanto. Como podemos ver no documentário How to survive a plague, lançado esse ano, muitos deles começaram nessa só pra salvar a própria pele, mas acabaram sendo mudados pela própria luta no caminho. E no final, além de disseminarem o conhecimento também ajudaram a identificar drogas que hoje tornam vida de muita gente não só melhor como possível.

4- Toxic

Em 24 de maio de 2011 Zé Cláudio e Maria foram assassinados. Não foi surpresa, ele mesmo já dizia que estava “com uma bala na cabeça” fazia algum tempo. O assassinato do casal de ambientalistas chocou muita gente, mas comoveu o país bem menos do que deveria.

Pouco mais de um ano depois temos um novo Código Florestal (e sua MP)  que está longe de ser unânime. Mesmo acusada de todas as irregularidades pensadas, Belo Monte prossegue. Essas e tantas outras coisas parecem ignorar as histórias de luta e morte no norte do país.

Mas o Felipe Milanez e a Vice resolveram não deixar por menos e produziram esse documentário, que pode ser visto online de graça. Toxic parte da morte de Zé Cláudio e Maria para nos contar a história da Amazônia que nós raramente vemos na TV.

(E já que estamos falando dos incríveis documentários da Vice, vários valem ver. Outro bom exemplo é Mulheres Combatentes no Curdistão)

5- Killing us Softly

No final dos anos 1960, Jean Kilbourne começou a colecionar anúncios sobre mulheres. Ela estava tentando entender melhor aquele cenário raramente enaltecedor. Quase duas décadas depois ela tinha material o suficiente para lançar o primeiro de 4 documentários sobre a imagem das mulheres na publicidade, chamado Killing us Softly.

Jean é considerada uma pioneira no estudo do impacto da comunicação na nossa vida, incluindo em setores como saúde pública, adição e violência. Rola ver o último dos 4 documentários, feito em 2010, aqui.

6- Wikirebels

http://youtu.be/eZkBy_HcY-M

Essa história vocês já sabem. Ela inaugurou a semana no infográfico de ontem e, bom, tem dado o que falar no mundo inteiro. Apesar de ser bastante recente, já existe um documentário sueco contando tudo. Bom, pelo menos tudo que rolou até 2010. Wikirebels tá disponível na íntegra no Youtube, com legendas e tudo.

Pra quem se interessar e quiser saber/ver mais, tem ainda o programa australiano Sex, Lies and Julian Assange, sobre as acusações de crimes sexuais na Suécia e o programa The World of Tomorrow (sobre o qual ja falamos aqui), onde o Assange recebe convidados como o ChomskyZizek e David Horowitz e o movimento Occupy.

E vocês, que documentários incríveis (sobre o tema, né) tem pra nos recomendar?

Deixe um Comentário

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

*

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>