Comportamento Comunicação
11 de outubro de 2012 por marimessias

Princesas podem ser foda

O mundo está sempre mudando. E parece que as princesas também.

O modelo clássico todos sabem: uma jovem vulnerável que precisa ser salva por um herói cheio de força e coragem. Essa é a ideia por trás de clássicos como Branca de Neve e Bela Adormecida. E também é a idéia por trás do best-seller recente 50 Tons de Cinza (e do original no qual foi inspirado).

Por outro lado, sucessos como a princesa Fiona (em Shrek) e a querida Arya Stark (em GOT) mostram que nem todo mundo curte essa vibe. E no estudo conduzido por Christopher J. Ferguson e publicado em agosto, a conclusão foi que todos nos beneficiamos de personagens femininos mais fortes. Segundo o estudo, homens que assistem programas onde as mulheres são mais submissas tem uma atitude mais negativa em relação as mulheres, enquanto as mulheres se sentem mais ansiosas com personagens assim.

Seguindo a onda da realeza nada convencional, a Disney criou a campanha I am a princess, que mostra princesinhas reais e mais atuais.

http://youtu.be/qUGnu0gXtn4

Segundo o Brainstorm9, onde vi essa campanha, muitos comentários no vídeo da Disney pedem que a empresa alinhe seu discurso com a prática. E, bom, além de ser o caminho mais óbvio, esse também é o caminho mais saudável.

Enquanto isso, feliz dia das crianças para todos os príncipes e princesas que estão ligados.

Um comentário para Princesas podem ser foda

  1. Leibarg disse:

    Princesas são o acaso de um homem mal feito no passado. Podem redimir-se procurando em seu cavaleiro o ideal de uma vida. As monstrengas é que sabem o que deve ser feito de sua própria vida e merecem considerável atenção, pois não procuram seu par na integridade masculina. Faltando poesia melhor admirar-se a fantasma-agoria.

Deixe um Comentário

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

*

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>