Comportamento Games
08 de março de 2013 por nina

A mulher na cultura pop

Anita Sarkeesian é uma jovem feminista que usa seu canal no Youtube, o Feminist Frequency, para comentar a retratação das mulheres na cultura pop. Ao analisar filmes, séries de TV, livros e – claro – publicidade, Anita apresenta uma perspectiva dura e realista sobre a cultura machista e sexista ainda existente, que muitas vezes passa despercebido pela maioria de nós.

Por cutucar a ferida e representar a voz das mulheres, Anita Sarkeesian sofreu milhares de violências, como ameaças de morte e de estupro. Até desenvolveram um jogo para saciar um pouco os impulsos violentos dos bullies e haters, que possibilita dar uma surra de cliques na foto da feminista, criando marcas, feridas e hematomas.

Veja o vídeo da sua palestra no TEDxWomen 2012 para saber mais:

Mas ela não se deixou abater: Como grande fã dos videogames, seu novo projeto consiste em analisar como as mulheres são representadas nos jogos, pontuando os diversos estereótipos de personagens femininos. A ideia (construida) de que videogame é “coisa de menino” já afastou muitas mulheres dos consoles.

Para produzir esse projeto, chamado Tropes Vs. Women in Video Games, ela recorreu a um site de financiamento coletivo. Em menos de 24h do lançamento no Kickstarter, a meta de 6 mil dólares foi atingida. No fim, o projeto conquistou impressionantes 160 mil dólares!

Confiram o primeiro vídeo do projeto, postado ontem a noite:

Questionar as representações de gênero que vemos na mídia tem uma importância tremenda para a sociedade. Por isso, no dia da mulher não dê (ou espere) flores, mas perpetue o respeito batalhado por nós todos os dias.

2 comentários para A mulher na cultura pop

  1. Leo disse:

    Essa mulher é demais! Não se deixou abater com as milhares de críticas e seguiu em frente. O primeiro episódio da série de vídeos dela foi demais, não vejo a hora de ver o resto. Sou homem, mas fico extremamente incomodado com a maneira com a qual retratam as mulheres nos videogames. É ótimo ver alguém lutando contra isso!

  2. Pingback: Entrevista com Carolina Stary: vamos falar de mulheres e videogames?

Deixe um Comentário

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

*

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>